Publicidade

11ª rodada do Campeonato Paulista : Veja todos os Scouts

Mesmo sem Neymar, Ganso e Rafael (todos na Seleção Brasileira), o uruguaio Fucile (servindo à seleção uruguaia) e Borges, desfalque de última hora por causa de uma forte gripe, o Santos bateu o Guarani por 2 a 0, no Brinco de Ouro, em Campinas, na noite desta quarta-feira.

O adversário vinha embalado - começara a rodada na segunda posição e havia conquistado todos os pontos disputados em casa. Mas acabou caindo frente a um Santos que, a cada rodada que passa, mostra-se mais encorpado, mesmo com desfalques - não à toa, já são seis vitórias consecutivas no Paulistão.

O resultado até passa a impressão de que a vitória santista foi tranquila. Mas o placar é enganoso. O Guarani foi superior em boa parte do jogo, mas acabou parando na forte marcação do Santos, que soube matar a partida com um gol logo no início (marcado por Ibson) e outro no finzinho (com Arouca). Com o resultado, o Santos ultrapassa o Guarani na tabela - foi a 24, deixando o time campineiro com 22.




LINENSE 1 X 3 PALMEIRAS

BARCOS ARTILHEIRO DO PALMEIRAS
Bastaram 45 minutos para o Palmeiras mostrar um futebol empolgante, definir a vitória por 3 a 1 sobre o Linense e aumentar a invencibilidade que vem desde o ano passado. Nesta quarta-feira, em Lins, o Verdão não teve o capitão e especialista Marcos Assunção, suspenso, mas contou com um show do trio Maikon Leite/Daniel Carvalho/Barcos para resolver o jogo no primeiro tempo e assegurar mais três pontos na tabela do Campeonato Paulista, na caça ao líder Corinthians. O time diminuiu o ritmo e levou um gol na etapa final, mas nada que ameaçasse a vitória.

O argentino foi o destaque desta quarta, com um golaço em que aplicou o drible da vaca no zagueiro e tocou por cobertura na saída do goleiro. Com um futebol de muita velocidade na etapa inicial, o Verdão não deu chances ao adversário e chegou aos 25 pontos na classificação, na caça ao líder Corinthians. E já são 16 jogos sem derrotas – 11 no Paulistão e cinco no Campeonato Brasileiro do ano passado.



CORINTHIANS 2 X 1 CATANDUVENSE

CORINTHIANS 2 X 1 CATANDUVENSE
A bruxa, mascote do Catanduvense, bem que tentou aprontar no Pacaembu nesta quarta-feira. Mas ela não contava com a raça corintiana em sair de situações dramáticas. Em uma atuação irregular, com pênalti perdido e outras três bolas na trave, o Timão suou para virar a partida para 2 a 1 no segundo tempo, mantendo a invencibilidade e a boa vantagem na liderança do Campeonato Paulista. Os dois gols da equipe de Tite saíram nos últimos 11 minutos de partida.

Parecia não ser a noite alvinegra. Depois de dominar tranquilamente o primeiro tempo, a equipe dirigida por Tite se abateu com a penalidade desperdiçada por Alex e conseguiu enrolar uma partida que, teoricamente, seria mais tranquila pelo momento ruim do adversário. Dairo colocou os visitantes em vantagem - o gol, porém, foi dado para Alessandro, contra. Mas Paulinho, aos 35, e Danilo, aos 46, garantiram o dramático triunfo alvinegro.

O resultado evita que embole a briga pela liderança do estadual. O Timão sobe para os 29 pontos e praticamente está classificado para a segunda fase do estadual. O rival Palmeiras, que bateu o Linense, é o segundo colocado, com 25. No domingo, o Alvinegro faz o clássico contra o Santos, que ocupa o terceiro lugar, na Vila Belmiro, às 16h (de Brasília).



SÃO PAULO 3 X 0 GUARATINGUETÁ


O primeiro tempo não despertou grande interesse do pequeno público que compareceu ao estádio do Morumbi. O São Paulo entrou em campo com uma baixa de última hora: Piris, com um desconforto na coxa esquerda, foi sacado do jogo.

Como o recém-contratado Douglas segue em recuperação de lesão no púbis, Leão foi obrigado a improvisar o volante Rodrigo Caio na posição. Do lado do Guaratinguetá, desde que a bola rolou, a postura dos comandados de Vilson Tadei era clara: marcação forte, sem a menor preocupação de avançar ao ataque. Tanto que Denis, nos primeiros 45 minutos, só foi notado em campo em cobranças de tiro de meta.

Com um adversário retrancado, o São Paulo, mais uma vez, explicitou suas deficiências. Jadson, novamente, esteve muito apagado. Sem um armador em campo, o time só levou perigo quando seus atletas buscaram as jogadas individuais. Pelas laterais, o jogo não existia. Isso porque, Rodrigo Caio, apesar de ter iniciativa, errava todos os cruzamentos que tentava, enquanto Cortez, que seria a válvula de escape pela esquerda, era vigiado constantemente por dois jogadores.

Sem inspiração, o jogo se tornou amarrado. O Guaratinguetá mal conseguia trocar passes no campo ofensivo. Do outro lado, nas poucas vezes em que o Tricolor chegou, Jailson evitou o pior para o time do Vale do Paraíba.

A torcida já dava sinais de impaciência. Até que, aos 42, quando finalmente o São Paulo conseguiu tramar uma jogada, saiu o gol. E foi um golaço. Após toque de calcanhar de Cícero, Lucas avançou pela direita, tocou para Jadson, que devolveu para o meia-atacante. Dentro da área, ele deixou o zagueiro Baggio no chão e bateu no canto direito da meta do Guará: 1 a 0 e festa para o camisa 7, que desembarcou na madrugada desta quinta após defender a Seleção Brasileira contra a Bósnia e descansou o dia inteiro no CT para poder jogar.

Garçom Casemiro se destaca, e Willian marca seu nono gol em 2012

O ferrolho armado pelo Guaratinguetá no primeiro tempo perdeu força na etapa complementar pela necessidade de buscar o empate. Isso fez com que o São Paulo atuasse como mais gosta, com espaço para contra-atacar. Em dois passes açucarados de Casemiro, a equipe marcou dois gols em apenas três minutos e decidiu a partida. Aos 14, Willian José invadiu a área e bateu por cima de Jailson. Aos 17, foi a vez de Fernandinho, que havia acabdo de entrar na vaga de Lucas, disparar uma bomba e marcar um belo gol.

Com 3 a 0, o time se tranquilizou em campo. A festa tomou conta das arquibancadas. Em campo, Leão também colocou Osvaldo na vaga do apagado Jadson, e Maicon no lugar de Casemiro. Na saída do campo, o volante passou pelo banco, ganhou sorrisos, cumprimentos e até um tapinha carinhoso de Emerson Leão - ano passado, o treinador, irritado com a postura do jogador, deixou-o por um tempo na "geladeira". O Guaratinguetá, entregue, seguia com seu futebol inoperante e que, em nenhum momento, assustou a equipe do Morumbi. A defesa, após ser vazada em nove jogos consecutivos, finalmente conseguiu sair de campo zerada.

Até o apito final de Luiz Vanderlei Martinucho, o São Paulo esteve perto do quarto gol. Cortez ganhou terreno pelo lado esquerdo e fez uma dupla perigosa com Fernandinho. Pela direita, Osvaldo também levava vantagem nas jogadas individuais. Jailson, aos 39, fez boa defesa em falta cobrada por Cícero. Aos 44, na última jogada, Willian José quase fez de cabeça. Mas nem precisava de mais. Depois de um período de instabilidade, o São Paulo, enfim, voltou a animar seu torcedor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade