Publicidade

Scouts de Mogi Mirim 3 x 1 Santos

Olá Cartoleiros!

O CARTOLAFCDICAS.COM mostrou ao vivo os Scouts de Mogi Mirim 3 x 1 Santos pelo Campeonato Paulista 2012.


De folga, Neymar, Ganso, Borges & Cia. acompanharam o time do Santos no sofá de casa neste sábado. Sem badalação e sem suas principais estrelas, faltou brilho para os reservas do Peixe contra o Mogi Mirim: com má atuação e sem entrosamento, deixaram o Romildo Ferreira com derrota por 3 a 1 e viram o rival Corinthians aumentar a vantagem na liderança do Paulistão. Para o Sapão, superior durante toda a partida, o resultado confirmou o posto de “melhor do interior” e ainda encerrou a sequência de sete vitórias do adversário na competição.

Com a cabeça no Juan Aurich, adversário da próxima quinta pela Libertadores, o Peixe esteve irreconhecível se comparado ao show contra o Inter, na última quarta.

De bom, só o retorno do volante Adriano, que não jogava uma partida oficial desde novembro e que, sem ritmo, saiu no segundo tempo. No mais, o que se viu foram erros na marcação, armação nula e defesa insegura.

Pelo Mogi, Val marcou dois, Felipe marcou um e o resultado ficou barato pelo futebol apresentado diante de sua empolgada torcida – já é o sexto jogo de invencibilidade, o que consolida cada vez mais o time do técnico Guto Ferreira no G-8. O atacante Dimba marcou o gol de honra do Peixe, logo aos três minutos.

Pelo Paulistão, o Santos volta a campo no próximo domingo, quando faz clássico contra o São Paulo, às 16h, no Morumbi. Antes disso, no entanto, enfrenta o Juan Aurich, do Peru, na quinta, pela Libertadores. O Mogi Mirim pega o Guaratinguetá, às 18h30m de sábado, no Estádio Dario Rodrigues Leite.

Sapão 'galático' e Peixe devagar

Se algum torcedor santista demorou a ligar o televisor para assitir à partida, perdeu justamente os lances mais interessantes da primeira etapa. A opção do técnico Muricy Ramalho em poupar para não “estourar” seus titulares parecia dar resultado. Descansados, os reservas começaram voando e, aos três minutos, abriram o placar. A jogada do gol foi bonita: lançamento perfeito de Elano para Felipe Anderson. Com categoria, o meia dominou, tirou a marcação e só ajeitou para Dimba. O atacante invadiu a pequena área em velocidade e bateu no canto.

Mas o melhor time do interior neste Paulistão não se intimidou. Desentrosada e sem segurança, a defesa santista formada por Bruno Rodrigo e Vinicius Simon já dava mostras de que poderia comprometer e a “sensação” Mogi Mirim cresceu no jogo. Aos seis minutos, chegou ao empate. Gil cobrou falta na área, ninguém marcou e Val testou firme para o fundo da rede. Daí em diante, exceção feita a uma cabeçada perigosa de Bruno Rodrigo, só deu Mogi.

Sem marcação e com grande dificuldade na saída de bola, o Peixe dava espaços e perdia feio no meio-campo. Adriano (sem ritmo) e Anderson Carvalho, volantes com característica de marcação, sobrecarregavam os apagados Elano e Felipe Anderson na armação. Enquanto isso, o atacante Roni e o lateral Edson deitavam e rolavam pelo lado direito do ataque do Sapão. Em três chutes de longe, Aranha, goleiro do Peixe, fez valer a chance entre os titulares e salvou o time. E assim, o Santos saiu no lucro com o empate no primeiro tempo.

Santos se acomoda, e Mogi aproveita

Muricy preferiu não mexer na equipe para a segunda etapa, e o Mogi continuou melhor. Os dois volantes da equipe da casa saíam para o jogo e confundiam a marcação santista. Se Alan Kardec não voltasse para buscar jogo, não veria a cor da bola. Felipe, por outro lado, camisa 10 do Mogi, criava boas chances e não perdoou quando Vinicius Simon deu bobeira em frente à grande área, aos 9 minutos: o zagueiro tentou domínio, sozinho, mas a bola bateu no seu pé de apoio e Felipe roubou em velocidade. Livre, na cara do gol, chutou forte no canto direito e tirou qualquer chance de Aranha salvar mais uma.

E nem a virada do Mogi foi o bastante para acordar o Alvinegro. Cinco minutos depois, Felipe fez jogada incrível pela direita, passou a bola entre as pernas de Felipe Anderson e ajeitou para Val bater com perfeição e ampliar da entrada da área.

Enquanto a torcida do Mogi, em êxtase, gritava olé, o Peixe não conseguia trocar passes e o desânimo tomou conta da equipe. “Reserva de luxo”, Elano deixou a desejar. Com a vitória praticamente garantida, o Mogi sentiu o cansaço, tirou o pé e administrou o resultado.

Fonte: Globoesporte.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicidade